5 erros que pessoas cometem ao fazer um consórcio

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

consórcio de imóveis
O consórcio é uma das maneiras mais práticas e acessíveis de comprar um bem, como um carro ou um imóvel. Apesar dessa modalidade oferecer diversas vantagens e facilidades em comparação a outros financiamentos, o consorciado pode enfrentar alguns problemas caso não tome alguns cuidados antes e durante a adesão.

Quer evitar imprevistos e participar de um consórcio sem ser pego desprevenido? Veja, abaixo, alguns dos principais erros cometidos pelos cotistas e saiba como evitar essas complicações!

Não pesquisar sobre a instituição escolhida

Antes de fechar negócio, é preciso pesquisar bastante para encontrar um acordo que satisfaça suas necessidades. Além de levar em conta o valor das parcelas e as condições de pagamento, o consorciado também deve avaliar com cuidado a reputação da instituição responsável pelo autofinanciamento.

Em primeiro lugar, ela deve ser autorizada pelo Banco Central, que é a instituição que regula e fiscaliza os consórcios no país. No próprio site da entidade é possível conferir uma lista das organizadoras filiadas. A dica é apostar em uma empresa que siga as normas estabelecidas pelo Banco Central e que seja reconhecida no mercado

Não acompanhar o status do consórcio

Participar de um consórcio vai muito além do que apenas pagar as parcelas mensais: também é preciso comparecer às assembleias para manter-se informado a respeito das contemplações e das movimentações financeiras dentro do grupo.

Dessa maneira, é muito mais fácil planejar o seu próximo passo, suas finanças e é possível, até mesmo, aumentar as suas chances de contemplação.

Ignorar os reajustes das parcelas

A não incidência de juros é uma das principais vantagens apresentadas pelo consórcio, no entanto, isso não significa que as parcelas não sofram alteração com o passar dos anos. Para que a carta de crédito não se desvalorize e para garantir que tanto o primeiro quanto o último contemplado possuam o mesmo poder de compra, as mensalidades normalmente sofrem um pequeno reajuste anual. No caso do consórcio de imóveis, por exemplo, as mensalidades acompanham os valores do Índice Nacional de Custo de Construção.

Ainda que sejam bem menores do que os juros do financiamento, é necessário levar em conta essa correção para que o seu orçamento não seja comprometido. Lembre-se, também, que todas essas informações devem constar no contrato!

Não escolher com cuidado a carta de crédito

A carta de crédito recebida pelo consorciado é o que garantirá a ele o poder de comprar o bem escolhido, seja uma casa, uma moto, um carro ou até mesmo um terreno. O problema ocorre quando o cotista opta por uma carta de crédito que não condiz com as suas necessidades. Isso geralmente acontece ao escolher um valor que seja inferior ao do bem que se deseja comprar.

Se esse for o caso, é possível completar a diferença, mas a quantia deve ser dada em dinheiro. Por isso, o ideal é pesquisar bastante a faixa de preço do bem que você deseja e escolher um consórcio que corresponda a essa expectativa.

Não controlar as finanças pessoais

Ao entrar em um consórcio, você se compromete com uma despesa que pode durar anos. Isso significa que é indispensável manter um rígido cuidado com as suas finanças pessoais, assegurando que, em todos os meses, as parcelas do consórcio serão pagas.

A dica é manter a organização dos gastos mensais e, se possível, manter uma poupança caso algum imprevisto aconteça. Dessa forma, você garante que, até mesmo em situações de emergência, suas finanças estarão seguras.

Já está se sentindo mais seguro para fazer um consórcio? Que tal falar com um dos nossos especialistas e fazer uma simulação? Clique aqui para entrar em contato conosco!

Compartilhe

Sobre o Autor

Comments on Facebook